sexta-feira, 7 de abril de 2017

Parlamentares dos países do G20 convocam os líderes mundiais a agirem contra a tuberculose

Fonte: Grupo Parlamentar Global de TB


A Cúpula da TB de Berlim concluiu com um apelo aos líderes do G20 para que priorizem a TB em sua agenda antes da Cúpula do G20 em julho deste ano.

Parlamentares das nações do G20 se reuniram nos dias 20 a 22 de março para endossar o
apelo e acordar formalmente uma proposta para que os Chefes de Estado considerem a TB e
outras formas de resistência antimicrobiana em sua agenda de trabalho.

O evento foi organizado pela Frente Parlamentar Global de TB, com o apoio do Stop TB
Partnership, da Parceria ACTION, e da Organização Não-Governamental alemã DSW.

 A Cúpulaé parte de uma série de eventos planejados durante o primeiro semestre de 2017 para
fomentar a priorização da resistência antimicrobiana dentro da agenda do G20 deste ano. Na ocasião, parlamentares convocaram seus líderes mundiais a agir agora para evitar um "risco inaceitável" de tuberculose resistente aos medicamentos. A resistência antimicrobiana é uma ameaça para a saúde global, e a tuberculose é a única doença transmitida pelo ar que possui sua forma resiste aos medicamentos.

Estiveram presentes parlamentares do Brasil, Argentina, México, Canadá, Alemanha, Reino
Unido, Arábia Saudita, Índia, França, Itália e África do Sul, que, em conjunto, acordaram uma
resposta conjunta no âmbito do legislativo para a resposta contra a tuberculose e a resistência
aos antimicrobianos.

A resistência antimicrobiana como uma ameaça urgente para a segurança da saúde global

A resistência antimicrobiana (AMR) é amplamente reconhecida como uma das principais
ameaças à saúde pública global. Existem diferentes estimativas sobre os custos econômicos e
sociais futuros da AMR, todas elas preveem um impacto significativo à saúde e economia das
nações. Embora a maioria desses custos serão futuros, eles apenas poderão ser evitados se
ações abrangentes forem tomadas agora.

A tuberculose e a resistência antimicrobiana

A tuberculose é a doença transmissível que mais mata no mundo. Todos os anos, 1,8 milhão de
pessoas morrem pela doença e 10,4 milhões de pessoas adoecem. A doença é causada por bactérias que são transmitidas pelo ar.

A bactéria da tuberculose tem certos atributos que são propícios ao desenvolvimento da resistência aos antibióticos. A exposição aos mesmos fármacos ao longo de muitas décadas, a resistência natural das bactérias da TB e a duração e dificuldade que o tratamento impõe aos pacientes, são os principais fatores que impulsionam o desenvolvimento de cepas resistentes em todo o mundo.

A TB, consequentemente, tornou-se a única grande epidemia transmitida pelo ar que tem sua forma resistente a medicamentos Estima-se que 200.000 pessoas morreram de tuberculose multirresistente (TB-MDR) em 2015, um terço de todas as mortes por AMR no mundo. É nesse sentindo que os parlamentares convocaram seus líderes mundiais a tomarem ações urgentes para a prevenção e enfrentamento da tuberculose resistente. Na declaração conjunta, os parlamentares fizeram um apelo aos chefes de estado para que reconheçam a carga mundial da tuberculose como a doença infecciosa que mais mata no mundo e sua relação direta com a pobreza, bem como o problema imposto pela tuberculose resistente como a principal ameaça da resistência antimicrobiana.

Os parlamentares indicaram ainda a necessidade de se estabelecer um mecanismo de apoio do G20 para acelerar o desenvolvimento de um regime de tratamento mais curto e eficaz para a tuberculose, um teste molecular rápido para as unidades de atendimento e uma vacina eficaz, e que essas ferramentas estejam disponíveis e acessíveis a todos. Por fim, solicitaram que a tuberculose fosse priorizada em iniciativas futuras para combater a resistência aos antimicrobianos e a dedicar todos os esforços necessários para enfrentar a doença no G20 e em todo o mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário