sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Uma conferência em que a esperança prosperou

Traduzido do site da 46ª Conferência Mundial de Saúde Pulmonar da Union

José Luis Castro - Foto: Marcus Rose/ The Union
Uma Nova Agenda deu forma à 46ª Conferência Mundial de Saúde Pulmonar, na Cidade do Cabo, na África do Sul, e inspirou uma comunidade de mais de quatro mil participantes a abraçar a luta dessa nova era.

A maior conferência global de saúde pulmonar até o momento, o evento desse ano ofereceu um número recorde de sessões ao longo dos cinco dias de programa científico.

José Luis Castro, Diretor Executivo da Union (União Internacional contra a Tuberculose e Doenças Pulmonares), fez um tributo à Union e seus membros durante a Cerimônia de Encerramento: “Como organização, sobrevivemos a guerras mundiais, calamidades econômicas e crises em todo o mundo. E nós ainda estamos aqui”.

Como um precursor da conferência, cerca de 50 parlamentares de 30 países se reuniram para Cúpula Global de TB. Este evento, co-presidido pelo deputado britânico Nick Herbert e pelo Ministro da Saúde sul-africano, Dr Aaron Motsoaled, marcou a importância de que os parlamentares devem persuadir seus respectivos governos para uma ação urgente em relação à tuberculose, incluindo acesso ao tratamento para todos os afetados. O ponto alto da reunião foi o momento em que os membros endossaram o Plano Global do Stop TB Partnership pelo Fim da TB 2016-2020: A mudança de paradigma.

Durante a conferência, foram reveladas algumas descobertas científicas críticas e algumas atualizações promissoras, que terão impacto real para pacientes que vivem com a TB.

A TB Alliance e seus parceiros anunciaram a disponibilidade dos primeiros medicamentos direcionados a crianças. Essas formulações melhoradas são solúveis e saborizadas, para que sejam mais facilmente administradas às crianças pelos pais e profissionais de saúde.

Os delegados assistiram a apresentações que destacaram pessoas vivendo com TB-MDR (Tuberculose Multidrogarresistente) que estão sendo efetivamente tratadas com um esquema de tratamento de nove meses. E há melhores esquemas a caminho, incluindo um regime de nove meses que não requer injeções e outro de seis meses para TB-MDR.

Foto: Marcus Rose/ The Union
A Union divulgou estudos sobre o impacto da TB em populações-chave – e houve apresentações inspiradoras sobre populações vulneráveis: crianças, camponeses e pessoas privadas de liberdade. Said Paul Bourdillon, um estudante da Escola de Medicina de Yale, fez a seguinte afirmação sobre suas pesquisas com a população prisional no Brasil: “antes de pensar na erradicação da TB no Brasil, temos que eliminar a doença nas prisões.”

A sociedade civil teve seu impacto na conferência com a marcha “Juntos para o Fim da TB”. Cerca de mil pessoas marcharam do subúrbio da Cidade do Cabo até o centro da cidade, onde se juntaram ao Dr. Motsoaledi, que reforçou seu compromisso de dar acesso e tratamento para todos os pacientes de TB: “qualquer ser humano neste planeta que tenha TB deve ter acesso ao tratamento”.

Mas alguns dos momentos mais potentes da conferência de cinco dias vieram das estórias de vida contadas pelas pessoas que viveram e venceram a TB. Os delegados presentes na Sessão inaugural ovacionaram espontaneamente Juliet Vivien Nalumu que contou suas experiências como paciente com a coinfecção TB-HIV. E Phumeza Tisile, que perdeu sua audição (agora recuperada após um implante coclear) durante o tratamento da TB-XDR, mas encontrou seu chamado ao fazer campanhas em prol das outras pessoas que enfrentam a doença. Constance Manwa, que falou sobre como sobreviveu à TB, vivendo com o HIV, explicou como aprendeu a viver positivamente.

Essa foi uma conferência em que estórias de esperança floresceram.

Veja as fotos do evento clicando aqui.




Nenhum comentário:

Postar um comentário