sexta-feira, 16 de setembro de 2016

A tuberculose mata três pessoas a cada minuto – o mundo precisa acordar para essa pandemia

*Texto traduzido do site do jornal The Guardian

Dr Jess Potter e Dr Chhim examinam um raio-x de um paciente com TB no hospital de Kampong Cham, Camboja. Foto: Tom Maguire

A principal causa de morte por doença infecciosa em todo o mundo, a tuberculose (TB), está associada com a imigração no Reino Unido. Lá, eu disse. Agora vamos seguir em frente, porque nenhuma parede à la Donald Trump ou Brexiteer vai manter a TB do lado de fora. Devemos proibir a migração então? Francamente, esta é uma noção ridícula; daquelas que até mesmo o mais isolacionista teria que se virar para justificar.

Há realmente apenas uma escolha - é preciso atacar a TB em escala global e isso significa a necessidade de investimento no exterior

Alguns poderão argumentar que poderíamos aumentar nossa atual política de rastreio para TB (pessoas que desejam mudar para cá de países onde a tuberculose é comum seriam verificados pré-entrada) para incorporar testes e tratamento para a forma silenciosa ou latente da doença, mas isso não cobriria os milhões de pessoas que vêm para o Reino Unido por até seis meses com um visto de turista. Isso sem mencionar as considerações éticas. Em qualquer caso, não existe, atualmente, uma maneira eficaz de tratar a forma latente de TB resistente a múltiplos fármacos (MDR-TB). Então, na minha opinião, há realmente apenas uma escolha - é preciso atacar TB em escala global e isso significa mais investimentos no exterior.

Para aqueles de vocês que pensam que a tuberculose foi erradicada há muito tempo, consignada à história com os gostos de Edgar Allen Poe, pense novamente. Em 2014, estima-se que 9,6 milhões de pessoas ficaram doentes por tuberculose [pdf - em inglês] - que é o equivalente a quase toda a população da Suécia. E o equivalente a quase todos os que vivem em Estocolmo - 1,5 milhão - morreram da doença. A TB mata três pessoas a cada minuto. Se o imperativo moral para salvar essas vidas não é suficiente, a carga econômica global de TB é estimada em US $ 12 bilhões (£ 9 bilhões) anualmente. (em inglês)

A TB prospera em sistemas de saúde fraturados e subfinanciados

Em 1993, depois de décadas de declínio, as mortes por TB voltaram a aumentar. A OMS declarou a tuberculose como uma emergência global e casos de TB em partes de Londres tornaram-se tão comuns como em algumas áreas da África Subsaariana.

A pandemia global TB tem sido alimentada pela negligência: a vontade política é limitada, o investimento em diagnósticos, medicamentos e vacinas é pobre, e a epidemia de HIV desempenhou o seu papel com quem sofre cerca de 27 vezes mais probabilidade de contrair tuberculose (em inglês). A doença, em particular a TB-MDR, prospera nos sistemas de saúde fraturados e subfinanciados. A TB gera perdas globais de US $ 12 bilhões anualmente e são necessários US $ 6,4 bilhões para acabar com esta epidemia. Não sou economista, mas me parece claro onde devemos gastar o nosso dinheiro.

Em 2002, o Fundo Global de Luta contra a Tuberculose, HIV e Malária foi estabelecido. Sua estratégia de oferecer financiamento aos países e promover uma abordagem de parceria entre a sociedade privada, pública e civil, terá salvado um número estimado de 22 milhões de vidas até o final deste ano. As metas de desenvolvimento do milênio para virar o jogo sobre estas epidemias em 2015 foram alcançadas: novas infecções pelo HIV caíram 38%, as mortes por TB caíram 45%, e o número de novos casos de malária caiu em 37%.

Para TB, o Fundo Global fornece mais de 75% de todo o financiamento internacional. Sem o fundo, não haveria uma resposta internacional à doença infecciosa que mais mata no mundo. Para se ter uma noção do papel do Fundo Global na luta contra a TB, em especial, vou usar o Camboja como um estudo de caso.

Emergindo da devastação de genocídio e décadas de guerra civil da era Pol Pot, o sistema de saúde do Camboja estava em frangalhos no início dos anos 1990. O Camboja é um dos países com alta carga de TB segundo a OMS. Um estudo de prevalência em 2002 indicou que 1,5% da população tinha a doença. Minha visita recente mostrou claramente que, desde então, com o apoio do financiamento internacional,  e com um ministério da saúde engajado e um bem concebido Programa Nacional de TB, o Camboja reduziu a prevalência de TB em aproximadamente 50%.

Dr Mao Tan Eang, diretor do programa nacional de TB nacional (NTP), me disse que a chave para acabar com a TB tem sido fechar a lacuna de recursos. Em 2015, apenas 12% do programa de TB foi financiado com recursos nacionais, 47% foi financiado por doadores estrangeiros (metade dos recursos vieram do Fundo Global), e o restante ficou sem financiamento.

O objetivo do desenvolvimento sustentável número três da ONU requer garantias para uma vida saudável com a ambiciosa meta de acabar com as epidemias de Aids, tuberculose e malária até 2030. Se queremos alcançar estes objectivos, temos de acabar com o déficit de financiamento.

Este mês, o Canadá será a sede da 5ª Conferência de reposição de recursos do Fundo Global. O Canadá aumentou sua doação em 20%, a França já prometeu US $ 1.08bn, mas o Reino Unido e a Alemanha ainda não fizeram doações. Existe um imperativo moral e um forte argumento econômico para fazê-lo, e se há ainda alguma chance de sucesso, ela pode ser ameaçada por um financiamento insuficiente, a ambivalência pública e as políticas nacionais.

No século passado, perdemos o controle. Não vamos fazê-lo novamente. O progresso que fizemos desde nos deu uma plataforma a partir da qual podemos ousar sonhar em livrar o mundo dessas doenças devastadoras, mas apenas se trabalharmos juntos. Por enquanto, vamos esperar ansiosamente para descobrir se o governo britânico vai cumprir com suas responsabilidades. Vidas estão na balança.

Jessica Potter é médica e pesquisadora do Centro de Atenção Básica e Saúde Pública  do Blizard Institute, da Queen Mary University of London. Siga @DrJessPotter no Twitter.



Nenhum comentário:

Postar um comentário