quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

BRICS priorizam a tuberculose na agenda de saúde do bloco

21 de dezembro de 2016 -  Os Ministros da Saúde e autoridades designadas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se reuniram no dia 16 de dezembro para a 6ª Cúpula de Saúde dos BRICS, em Nova Délhi, na Índia. Na ocasião, as autoridades se comprometeram com uma série de medidas que deverão ser tomadas pelos governos relacionadas às principais emergências de saúde comuns entre os países.
A tuberculose (TB) foi um dos principais temas da reunião. Cerca de 50% da carga mundial de TB está concentrada nesses cinco países, que compartilham desafios comuns no enfrentamento da doença e, portanto, podem desenvolver uma resposta comum para essa crescente ameaça.

Neste sentido, os países dos BRICS se comprometeram em adotar o Plano de Cooperação dos BRICS em TB e apoiar as recomendações feitas pelo workshop BRICS sobre HIV e tuberculose, realizado em Ahmedabad, Índia em novembro deste ano. Na ocasião, ficou evidenciada a necessidade urgente da ampliação de recursos destinados à pesquisas de novos métodos diagnósticos e de tratamento, bem como a necessidade de prover apoio e incentivos sociais aos pacientes que enfrentam alguma vulnerabilidade.

Foi nesse sentido que as autoridades se comprometeram na 6ª Cúpula de Saúde dos BRICS em considerar as necessidades técnicas, políticas e financeiras para o enfrentamento dos desafios de saúde pública relacionados à TB e HIV.

Um dos pontos principais do compromisso conjunto foi o acordo para a criação de uma rede de pesquisa em TB no âmbito dos BRICS além de um consórcio de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para a TB, VIH e malária, incluindo a possibilidade de angariação de recursos internacionais.

Por último, as autoridades endossaram a necessidade da reunião de Alto Nível em Tuberculose, proposta pelo Governo Russo, a ser realizada em Moscou em 2017, bem como a importância da realização da Reunião de Alto Nível da ONU sobre TB durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em 2018.

Para acessar o Joint Communiqué, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário