terça-feira, 10 de novembro de 2015

Tuberculose: mudar será difícil, não mudar será fatal

Por Lucica Ditiu, Diretora Executiva Stop TB Partnership
 

Precisamos falar a sério sobre o fim da TB, indo além do "controle da tuberculose". Devemos falar de prevenção e devemos falar sobre o tratamento da infecção por TB. Temos dois bilhões de pessoas infectadas com TB e 10% deles irão desenvolver TB em algum momento durante a sua vida. Não podemos ignorar isso.

_________________________________

31 de outubro de 2015 - O Relatório Global da OMS TB 2015 foi lançado há poucos dias e a principal mensagem para levar para casa é que, se queremos alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e os objetivos da Estratégia End TB, precisamos mudar. Agora, não mais tarde. Já é tarde.

Levei alguns dias para juntar esses pensamentos, já que eu reli os três últimos Relatórios Globais de TB publicados em 2014, 2013 e 2012. Quando Relatório Global de TB 2014 da OMS foi lançado, com base em dados de 2013, eu escrevi um pouco dizendo "mesmos números, mesmas tendências, por isso que precisamos mudar".

Dois anos atrás, quando Relatório Global de TB 2013 da OMS foi publicado, eu disse: "O relatório da OMS mostra que os cuidados de TB podem salvar milhões de vidas, mas estamos avançando muito lentamente. Deixe-me ser claro sobre o que estamos enfrentando. No ritmo atual de progresso, não vamos eliminar a TB".

Infelizmente, todas essas declarações são válidas hoje também. E eu estou preocupada que os dados e as tendências que aparecerão no relatório do próximo ano não serão muito diferentes.

No início desta semana, na série Lancet sobre "Como eliminar a TB", a declaração gritante foi como um balde de água fria para mim e deve ser para aqueles de nós que trabalham com TB: "... há uma lacuna entre dados e implementação. O quadro político e de implementação que foram adotados nas últimas décadas simplesmente não são suficientes".

Na verdade, há vários anos, os dados foram tentando nos dizer o que fazer... temo que não tenhamos escutado muito.

Os dados de 2014 mostram a mesma tendência de declínio da incidência de TB em 1,5%, ao ano. A incidência estimada de 2014 foi de 133/100.000 (a partir de 12 /100.000 em 2013) e isso significa que, no ritmo atual, vamos atingir a meta 10/100.000 da Estratégia End TB não em 2035 -, mas em 2182.

Dos cerca de 9,6 milhões de casos de tuberculose em 2014 (um aumento de 0,6 milhões a partir de 2013 devido a melhores estimativas dos dados da pesquisa prevalência), apenas 6,3 milhões foram relatados por Programas Nacionais para a OMS. Então, os 3 milhões de casos que faltam ainda estão por aí.

Os dados de 2014 mostram que a tuberculose mata 4.400 pessoas por dia e é a doença infecciosa que mais mata no mundo. Como podemos, como seres humanos, aceitar que uma doença que é curável em seis meses mate mais pessoas do que o HIV / AIDS? Que tipo de mentes e corações que nós temos?

Há novas estimativas de 2014 para a TB em crianças - 1.000.000 casos e 140.000 mortes por ano - o dobro das estimativas do relatório do ano passado. É bom que nós saibamos mais agora e sejamos capazes de ter melhores estimativas. Mas o que sabemos agora é muito impactante - realmente temos um fardo muito maior, nós lutamos contra um monstro maior e, na verdade, nem sequer sabemos ao certo o quão grande ele é. Essa alta carga em crianças significa que há muita transmissão acontecendo - e uma falta de rastreio do contato domiciliar.

A situação da resistência MDR-TB mostra um progresso deprimentemente lento - um pequeno aumento no número de pessoas diagnosticadas com TB de 94 mil em 2012 para 123 mil em 2014 (dos quais apenas 110 mil casos de MDR-TB estavam registrados em tratamento) com apenas 50% de taxa de cura. Isto significa que ainda estamos no nível de 1 em cada 10 pessoas com MDR-TB tendo a sorte de ser diagnosticada, tratada e curada.

Todos estes dados vêm tentando nos dizer há vários anos que temos de mudar.

Precisamos promover uma revolução nos dados TB! Nós precisamos fazer estudos de prevalência e repetir - para que estejamos cientes sobre o tipo de carga que temos e onde a temos. Precisamos de todos esses dados para ser desagregados a um nível subnacional, por sexo, faixa etária, e áreas geográficas e nós precisamos usar todas essas informações para priorizar as intervenções e promover um impacto maior.

Precisamos conhecer o nosso custeio e valores financeiros e usá-los para preparar casos de investimento para TB mais sólidos e críveis. Precisamos assegurar intervenções otimizadas e obter mais de cada investimento. Não só para convencer os ministros da Saúde, mas os Ministros das Finanças e chefes de governo. A tuberculose depende dos investimentos nacionais e precisamos ter certeza de que vamos nos concentrar nisso, nos próximos anos.

Precisamos falar a sério sobre o fim da TB, indo além do "controle da tuberculose". Devemos falar de prevenção, devemos falar sobre o tratamento da infecção por TB. Temos 2 bilhões de pessoas infectadas com TB e 10% deles irão desenvolver TB em algum momento durante a sua vida. Não podemos ignorar isso. Quando é que vamos realmente começar a séria conversa sobre infecção por TB?

Precisamos encontrar os 3,3 milhões de casos que não foram notificados. O TB REACH e outros projetos têm mostrado que é possível - com uma grande mente aberta e vontade de mudar e com investimentos modestos. Precisamos ampliar os projetos de sucesso nos países, precisamos dar as mãos com as comunidades, com o setor privado, com sectores externos à saúde. Precisamos fazer busca ativa de casos e envolvimento das populações-chave e vulneráveis. Pensar em conjunto e encontrar soluções em conjunto.

Nós simplesmente não podemos dar ao luxo de ter outro relatório dizendo que 1 em 10 casos de MDR-TB foi diagnosticado, tratado e curado. Precisamos de testes de sensibilidade aos medicamentos para todos. De diagnóstico e cuidados e de um regime de tratamento curto, barato e sem os efeitos colaterais que vemos hoje. Nós precisamos aa quantidade certa de financiamento para a pesquisa e desenvolvimento para obter essas ferramentas.

Mas, enquanto isso, nós podemos fazê-lo!

Sabemos como fazê-lo, somos uma comunidade muito dedicada e trabalhadora, que não deve ser tímida ou preocupada ou constrangida por nada - deixe-nos ser ousados e fazê-lo! Não vai ser fácil - e vamos precisar de financiamento para todas estas intervenções corajosas, uma séria quantidade de fundos. A modelagem feita para o Plano Global End TB 2016-2020: A Mudança de Paradigma mostra que, se nós formos sérios sobre a implementação em escala de pacotes abrangentes de intervenções experimentadas e testadas e se queremos financiar adequadamente a investigação para o desenvolvimento de novas ferramentas com o objetivo de acabar com a tuberculose, as necessidades de financiamento tem que ser muito maior do que aquilo que estamos habituados a ter no atual Plano Global.

Não vai ser fácil conseguir este financiamento - de fontes nacionais, doadores e de um Fundo Mundial plenamente reabastecido. Não vai ser fácil. Mas não há caminho de volta - devemos fazê-lo!

Nenhuma mudança na nossa abordagem será fatal. Já é fatal para mais de 4.400 pessoas e 440 crianças todos os dias.

A mudança não começa com o dinheiro, ela começa com a gente e nossa mentalidade. Como George Bernard Shaw disse: "O progresso é impossível sem mudança, e aqueles que não podem mudar as suas mentes não pode mudar nada!"


Sei que vamos conseguir!

Dr Lucica Ditiu
Diretora executiva
Stop TB Partnership




Nenhum comentário:

Postar um comentário